Um dia no Coliseu de Roma

Um dia no Coliseu de Roma

04.12.2021

Nenhum outro monumento de Roma transpira mais a personalidade da cidade eterna que o Coliseu.

Diante daquelas imensas ruínas, é quase impossível não se transportar ao passado e se imaginar vendo as lutas de gladiadores romanos.

Mas uma coisa eu garanto: se você não se preparar para passar um dia no coliseu, é muito provável que você fique na imaginação e acabe desistindo de visitá-lo.

Por que ?

O Coliseu é uma das atrações mais visitadas do mundo e a multidão será o seu maior inimigo para conseguir entrar na arena.

Assim, sem planejamento, a primeira hipótese é a de que você simplesmente não conseguirá ingressos para os dias em que estiver em Roma.

A segunda opção é de que você desista de visitar o monumento na hora que se deparar com as filas que formam em seus portões.

Mas calma, tudo isso pode ser evitado com planejamento. 

E esse artigo está aqui para te ajudar.

Descubra como garantir que você tenha um dia de glória dentro dos muros do Coliseu de Roma.

The Colosseum and surroundings in public area, close to the Palatine Hill. Amazing Rome, Italy

Como adquirir os ingressos para entrar no Coliseu?

O site oficial para adquirir os ingressos antecipadamente pela internet é: https://www.coopculture.it/it/tickets/.

Você também tem a opção de adquirir um passe, como Roma Pass ou o Omnia Card.

A vantagem deles é que além de economizar tempo na entrada, os passes oferecem descontos no preço de outras atrações.

O importante na hora de comprar o seu ingresso é verificar se ele dá direito a “Accesso Prioritario” ou “Priority Access”, para você conseguir entrar sem precisar pegar fila para entrar no Coliseu.

O que levar – e o que não levar – no dia em que você for conhecer o Coliseu de Roma?

A primeira recomendação é a mais básica, mas que pode salvar seu dia no Coliseu: calce sapatos confortáveis.

É um tal de sobe desce em piso irregular e horas em pé, que é melhor ir preparado.

Se estiver visitando o Coliseu no verão, use roupas leves e, por favor, não esqueça do protetor solar.

Fora isso, é importante saber que é proibido entrar no monumento com garrafas ou recipientes de vidro e bebidas alcoólicas.

Portanto, leve a sua água em garrafas plásticas para evitar confusão.

Além disso, bagagem grandes, como mochilas e malas, são estritamente proibidas no Coliseu. Devido às multidões, a segurança é levada muito a sério. Existem detectores de metal na entrada do Coliseu, semelhantes aos do aeroporto. 

Assim, é bom evitar o uso de cintos, pulseiras ou relógios, se não quiser se aborrecer em ter que retirar item por item até ser liberado.

Ah, é bom saber ainda: o acesso a animais é proibido, exceto para cães-guia.

E se você tem alguma dificuldade de locomoção, ainda assim é possível conhecer o Coliseu.

As entradas do monumento, dispostas ao longo da Via dei Fori Imperiali, estão equipadas com rampas. O andar térreo do anfiteatro é acessível para deficientes físicos em cadeiras de rodas e o primeiro andar é acessível por elevadores.

E comida, pode levar?

Outra coisa importante a saber sobre o Coliseu é que você não encontrará um restaurante ou quiosque de comida dentro dele. Você não pode comprar nada para comer ou beber dentro do Coliseu, do Monte Palatino ou dos Fóruns Imperiais. 

Para passar o dia por lá, o recomendado é que você leve algum lanche, como uma fruta, um chocolate ou uma barrinha de cereal… mais para matar a fome do que para fazer uma refeição propriamente dita. Você não pode se sentar em qualquer lugar dentro do monumento e fazer um piquenique…

A boa notícia é que há pontos de água potável espalhadas por todos os lados, as “fontanelle nasoni”. É só encher a sua garrafinha.


Seguros Promo

Quanto tempo reservar para visitar o Coliseu?

Os passeios guiados ao Coliseu podem durar de uma hora e meia a 3 horas, dependendo do tipo de passeio que você escolher. 

Se você decidir visitar o Coliseu sem um guia turístico ou com um guia de áudio, você precisará de ao menos uma hora para a sua visita.

A depender do seu interesse pela cultura romana e história, essa hora pode se estender para várias outras.

O Coliseu é enorme e há muito o que desbravar.

Depois da Arena, é claro, você ainda terá Fórum Romano e o Monte Palatino para conhecer. Eles têm entradas separadas, mas compartilham o mesmo ingresso.

Qual o melhor horário para visitar o Coliseu?

Com os ingressos comprados antecipadamente, você deverá obrigatoriamente escolher o horário de entrada e chegar ao menos 30 minutos antes para garantir que não terá nenhum contratempo na entrada. Se você se atrasar não terá permissão para entrar.

A melhor hora do dia para visitar o Coliseu é logo na abertura ou uma ou duas horas antes do fechamento, que muda ao longo do ano, conforme a estação.

Nesses horários, a multidão ainda não é tão grande e as temperaturas no verão são mais amenas.

> Planejando sua viagem para a Itália? Não deixe de conferir as dicas do Go Europa para aproveitar todas as atrações de Roma.

No dia: o que ver primeiro?

Uma das melhores coisas a fazer antes de entrar no Coliseu é aprender mais sobre ele! 

Para uma visita proveitosa, sem precisar contratar um guia pessoal ou alugar um áudio guia, você precisa saber exatamente o que quer ver dentro desse imenso monumento histórico.

Do contrário, você ficará perdido entre escadarias e estruturas que sobreviveram ao tempo, aos saques e aos terremotos sem entender por completo o real significado delas.

Abaixo nós destacamos o que você não pode deixar de explorar na sua visita ao Coliseu:

A fachada do Coliseu

É ali, antes mesmo de entrar – mas já sob o som de todos os sotaques do mundo -, que começa o seu dia no Coliseu de Roma.

Observe a parte externa do prédio, que tem 50 m de altura e 4 andares. 

Os três primeiros permanecem de pé; o último permanece apenas na metade da circunferência do monumento, moldando hoje a silhueta característica dessa que é considerada uma das 7 maravilhas do mundo. 

No 2º e 3º níveis, você verá imensos arcos vazados que abrigavam na sua origem estátuas de bronze.

No último andar, sob a última camada de pedras, havia também mais de 200 mastros foram fixados para apoiar o velarium, uma estrutura retrátil que se estendia sobre a arquibancada para proteger os espectadores das chuvas e do sol forte.

Agora imagine toda essa imensa fachada revestida de mármore travertino! 

Era assim que o Anfiteatro Flaviano, nome de batismo do Coliseu, havia sido construído.

Já dentro do Coliseu você terá a oportunidade de vê-lo representado em maquete, e entender como foi projetada e concebida essa fascinante obra de engenharia. 

A arena, palco das lutas organizadas no Coliseu

Passando a entrada, você cruza os corredores de acesso às arquibancadas, os chamados vomitórios romanos.

Essas passagens imensas permitiam que multidões entrassem e saíssem em poucos minutos e é o que garante que hoje o monumento possa abrigar milhares visitantes de uma só vez.

Com alguns minutos de caminhada sobre os imensos arcos romanos, você chegará à entrada sul, que dará acesso à parte reconstruída da arena. 

Ao passar pela entrada, você sentirá toda a grandeza desse lugar: você estará oficialmente dentro do maior símbolo de poder do Império Romano.

Era ali que aconteciam as lutas de gladiadores e espetáculos públicos, com execuções de prisioneiros, caça de animais selvagens e mesmo representações teatrais.

Quando inaugurado, a arena possuía um piso de madeira coberto com areia (justamente o significado de “arena” em latim), que ajudava a absorver o sangue dos combates.

Mas o mais impressionante é imaginar que esse lugar também foi palco de reconstituições de batalhas navais!  Tudo graças a muitos alçapões que conectam a arena ao hipogeu, o reaproveitamento das águas de chuvas e de técnicas de inundação que cobriam completamente o solo.

Incrível pensar que tamanha engenhosidade teve início no ano de 72 d.C. e foi concluída apenas oito anos depois!

O hipogeu, o Coliseu de Roma subterrâneo

É ainda do palco dos gladiadores que você consegue mensurar a magnitude dessa obra de engenharia.

Abaixo da arena foi construído um complexo de túneis onde os animais selvagens eram enjaulados e os gladiadores aguardavam a sua vez de entrar em combate.

Com o piso da arena completamente destruído pelo tempo, é possível ver as passagens subterrâneas do Coliseu ali mesmo do alto.

E até pouco tempo atrás essa era a melhor forma de conhecer o hipogeu.

Para quem visita o Coliseu hoje, entretanto, há uma excelente novidade.

Em junho de 2021 o Coliseu abriu oficialmente todo o seu nível subterrâneo à visitação pela primeira vez em 2 mil anos. Uma passarela de 160 metros leva agora à descoberta dos porões do anfiteatro bem de pertinho.

As arquibancadas

Depois de conhecer o subsolo, é hora de subir as escadas e ver o Coliseu de cima.

O anfiteatro podia receber entre 50 mil e 70 mil espectadores.

Para se ter uma ideia da magnitude do projeto, o Maracanã, o maior estádio de futebol do Brasil, tem capacidade atual de 78.838 espectadores.

Mas diferente dos jogos de hoje, as apresentações de luta no Coliseu eram gratuitas.

Qualquer um do povo podia entrar no Anfiteatro Flaviano, desde que respeitasse o seu lugar nas arquibancadas divididas em setores conforme sua posição social. 

Magistrados, aristocratas e pessoas pertencentes à família imperial ocuparam a plataforma chamada Podium, em frente à arena. 

Os romanos ricos estavam sentados nas fileiras intermediárias.

O anônimo do povo, escravos e mulheres deveriam se reservar às arquibancadas mais altas.

Depois de percorrer todas elas, é lá no topo que sugerimos que você finalize o seu passeio pelo Coliseu de Roma.

A vista é simplesmente deslumbrante, tanto do interior do Coliseu quanto dos arredores do monumento.

Dali você verá o Arco de Constantino, o Monte Palatino, o Templo de Vénus e Roma e todas as atrações que você poderá desvendar assim que deixar o Coliseu.

Esperamos que com essas breves explicações sobre o Coliseu, tudo pareça muito mais vivo! 

Bom passeio!

Quer ler mais conteúdos sobre a Itália? Aqui estão alguns artigos sugeridos para você:

Rotas do vinho imperdíveis na Toscana

A cidade de Maranello na Itália, berço mundial da Ferrari