Onde morar na Itália para tirar a cidadania: dicas para ajudar você nessa etapa

Onde morar na Itália para tirar a cidadania: dicas para ajudar você nessa etapa

26.10.2021

Se você pretende fazer a cidadania italiana na Itália, um dos passos importantes é escolher em qual cidade você vai fixar a sua residência para dar entrada no seu processo. 

Acredite, essa decisão pode mudar completamente a forma como vai andar o seu pedido, tornando tudo mais tranquilo ou bem mais complicado.

Apesar de, na teoria, o processo administrativo ter um mesmo trâmite onde quer que você dê entrada na cidadania na Itália, o grau de dificuldade pode, sim, variar de acordo com o Comune escolhido e também conforme a pessoa que ficará responsável pelo seu pedido.

Nessa altura você deve estar se perguntando: qual é, então, o melhor lugar na Itália para requerer a cidadania italiana?

Infelizmente essa pergunta não tem resposta pronta, mas com as dicas que reunimos abaixo temos certeza que você terá mais segurança para escolher o Comune onde morar para tirar a cidadania italiana.

Vamos a elas!

Quero reconhecer minha cidadania na Itália: onde posso apresentar o pedido?

Todos os Comuni (as cidades) têm a obrigação de processar o seu pedido administrativo de reconhecimento da cidadania italiana.

Isso mesmo, qualquer das mais de oito mil cidades em toda a Itália tem o dever legal de receber e analisar o seu requerimento e, em tese, você tem direito a escolher em qual desses Comuni vai apresentar o seu pedido de cidadania italiana.

A única condição, é claro, é ter estabelecido residência no Comune de escolha, já que esse é um requisito imprescindível para o processamento do seu pedido naquele local.

Ocorre que, apesar da obrigação legal que falamos acima, na prática, a teoria é outra.

Explico.

Lembro-me de quando, já em solo italiano, estávamos em busca de um lugar para fixar residência e “tirar a nossa cidadania”.

Antes de fecharmos o contrato de aluguel, procuramos o setor responsável pela análise do pedido em um Comune do norte da Itália. 

Levamos os nossos documentos e pedimos se havia algum formulário padrão para preencher nesses casos. 

Imagine a nossa surpresa quando a senhora que nos atendeu nos disse que o nosso pedido não poderia ser processado ali e que deveríamos procurar o Comune de nascimento dos nossos antenatos.

Estava na cara de que a pessoa nunca havia analisado um pedido de reconhecimento de cidadania na vida e que não sabia nada sobre o assunto. 

Resumo da história: não insistimos e fomos em busca de um Comune com funcionários mais informados, esclarecidos e prestativos.

Devo escolher a cidade em que vou protocolar o meu pedido pelo seu tamanho?

Essa era uma das coisas que nós costumávamos ouvir muito antes de apresentarmos os nossos pedidos.

A questão é que o pedido de cidadania será analisado por um funcionário da Prefeitura que trabalha no departamento chamado Ufficio di Stato Civile, responsável também por registrar e certificar todos os atos da vida civil, como nascimento, casamento e morte.

Como você pode imaginar, em cidades maiores, dezenas de funcionários trabalham nesse setor.

Por outro lado, em cidades menores, essa função é geralmente acumulada com a de outros setores da Prefeitura.

Nessa linha, o conselho que nos deram é de que seria mais sensato “fugir” dos Comuni muito grandes, assim como dos muito pequenos.

Você também já ouviu esse conselho?

Ele faz muito sentido na medida em que, como se supõe, as cidades com muitos habitantes têm muito mais trabalho, enquanto nas muito pequenas, embora a demanda seja menor, é muito provável que exista apenas um funcionário para analisar o seu e o restante dos pedidos.

Assim, o ideal no mundo das teorias é que uma cidade de porte médio seria mais aconselhável para tramitar o seu pedido de cidadania.

Mas…

adivinha o que aconteceu no nosso caso?

Tivemos muito mais barreiras para protocolar o nosso pedido em uma cidade mediana, com cerca de 40 mil habitantes, do que em uma cidade pequena, com menos de 2 mil habitantes, que foi onde acabamos decidindo dar entrada em nosso processo.

Na cidade maior foi muito mais difícil encontrar um local para alugar, além de ter necessidade de agendar horários para sermos atendidos cada vez que queríamos falar com o responsável pelo Ufficio di Stato Civile… 

Ou seja, o conselho acima continua valendo, ele só não pode ser tomado como regra absoluta. 

Se você pretende fazer o seu processo sem uma assessoria especializada, a dica é que você tenha muita paciência e flexibilidade para, acaso precisar, alterar seus planos iniciais e ir resolvendo os imprevistos que fatalmente aparecerão pelo caminho.

> Leia também: Tudo sobre a cidadania italiana: passo a passo completo!


Seguros Promo

Dicas para escolher em qual cidade apresentar o pedido de cidadania na Itália

Você já deve ter percebido que não há uma única diretriz quando o assunto é escolher a cidade para apresentar o pedido de reconhecimento da cidadania na Itália.

Em todo caso, com base na nossa experiência pessoal, reunimos algumas dicas que podem ser valiosas especialmente para você que está pensando em fazer o seu processo sem ajuda de profissionais especializados. 

Confira:

Conhece alguém que mora na Itália e está disposto a lhe ajudar? Aceite a ajuda. 

Tomando a liberdade para falar em termos ultra genéricos, a Itália é um país bastante fechado para os estrangeiros, especialmente os extracomunitários.

Você precisará ganhar confiança dos italianos aos poucos. Nesse sentido, se você tiver alguém que possa fazer a ponte entre você o seu sonho, não a desperdice.

Talvez essa pessoa possa te ajudar indicando um local para morar, talvez possa traduzir um documento ou dizer onde fica a tabaccheria mais próxima.

Vai por mim, qualquer ajuda quando você está longe de casa vale muito.

Sonde o Comune antes de fixar residência

Seja por e-mail, seja por telefone ou pessoalmente, procure obter informações sobre o Comune no qual pretende apresentar o seu pedido de reconhecimento da cidadania.

Nem que seja para perguntar o nome do responsável e o horário de funcionamento do setor. 

Esse primeiro contato servirá como um termômetro para saber como as coisas funcionam e qual o padrão de atendimento. Além disso, lhe dará abertura para ter acesso à pessoa que tramitará o seu pedido.

Se no primeiro contato você ver que o funcionário não está disposto a lhe ajudar, siga o seu instinto: talvez o melhor a fazer seja procurar outro Comune.

Aprenda italiano, estude as leis e o passo-a-passo do procedimento 

Se você quiser fazer o processo sem ajuda profissional, esses passos são essenciais para o sucesso do seu intento.

Você não precisa ter um italiano avançado ou ser completamente fluente, mas precisa conseguir se comunicar com clareza e alguma desenvoltura.

Nesse sentido, é fundamental que você esteja por dentro do passo-a-passo do que irá acontecer em relação ao processo de reconhecimento da cidadania desde o momento em que você colocar os pés em solo italiano.

Assim, você precisa estar familiarizado não apenas com a linguagem do dia-a-dia, mas aquela relacionada à demanda. 

Em resumo, você precisa dominar os termos técnicos em italiano para saber interagir com o funcionário responsável pela condução do seu processo, inclusive tirando eventuais dúvidas que possam surgir da análise da sua documentação.

Isso aconteceu conosco não apenas uma vez e ter certeza dos nossos direitos e de como deveria andar o processo fez muita diferença para a agilidade dos nossos pedidos.

Mantenha-se otimista

Não subestime essa dica!

Falamos isso porque não é raro que aconteça algum imprevisto durante o seu processo. 

Mesmo sabendo todo o be-a-bá do processo de reconhecimento da sua cidadania, algum detalhe que você nunca havia escutado pode surgir.

E isso é completamente normal, porque cada processo é um processo.

Nesses momentos é fácil achar que tudo vai dar errado, que você não vai conseguir resolver a situação sozinho e que vai ter que voltar para o Brasil sem o passaporto rosso nas mãos. 

Uma das situações inesperadas que aconteceram conosco se deu já no finalzinho dos nossos processos. 

A cidadania estava a um passo de ser reconhecida pelo Síndaco, quando a servidora nos alertou de que o Vinicius perderia o sobrenome da mãe e restaria apenas com o do pai no momento do seu registro como cidadão italiano.

Tivemos que ir atrás da legislação e mostrar à servidora, sempre com muito respeito, claro, de que ele tinha o direito de permanecer com o nome que havia sido registrado quando do seu nascimento no Brasil. 

Apesar do contratempo, no final, tudo deu certo. 

O jeito foi manter a calma, estar disponível para ir até o Comune sempre que nos chamavam e ir resolvendo cada problema que surgia por vez.

Resumindo a ópera, com base na nossa experiência pessoal, diríamos a você que está buscando uma cidade para “tirar” a cidadania italiana: escolha o Comune que lhe for mais conveniente – pequeno, médio ou grande -, aceite ajuda, aprenda a língua italiana, tenha jogo de cintura e mantenha-se otimista no seu propósito.

Só não insista em um Comune que você já ouviu que houve muitos problemas nos trâmites dos pedidos de cidadania. A chance de você ser atendido pelo mesmo funcionário e os problemas se repetirem é grande. 

Com quase oito mil opções, não há porque arriscar o seu sonho de ver a cidadania italiana reconhecida se transformar em um pesadelo, concorda?

É isso! Esperamos que essas informações tenham ajudado você. Nosso desejo de que a sua jornada em busca da sua cidadania italiana seja o mais sereno e rápido possível.>> Se você precisar de ajuda profissional para concluir cada etapa do processo e reconhecer a sua cidadania italiana, entre em contato agora mesmo com o Conexão Europa através da nossa página de serviços.

POSTS RELACIONADOS

Visitar

Pratos típicos de Natal na Itália

18/11/2021
Visitar

Como aproveitar o fim de ano no inverno italiano

16/11/2021
Visitar

Rotas do vinho imperdíveis na Toscana

28/10/2021