Como é morar na França?

Como é morar na França?

30.10.2019

Entenda os custos e o estilo de vida francês

Um dos países mais procurados por brasileiros nas suas viagens para a Europa, não há quem não se pegue durante a viagem imaginando como é morar na França. Mas, como dá pra imaginar, turistar por um lugar é uma experiência muito diferente de viver por lá.

Por isso, para quem está considerando emigrar, fizemos aqui um levantamento dos principais quesitos do custo de vida na França e trazemos algumas informações sobre como é o dia a dia dos franceses. Acompanhe no artigo!

Custo de vida na França

Antes de decidir morar em outro país, é importante considerar se essa mudança será financeiramente interessante ou até mesmo viável para a sua família. Para isso, estude cuidadosamente o custo de vida na França, entenda de quantas fontes de renda a sua família irá dispor e o quais serviços esses valores serão capazes de pagar.

Para ajudar nessa pesquisa, conheça como funcionam alguns dos principais fatores que impactam na vida do imigrante.

Transporte

Em Paris e nas suas cidades periféricas, o transporte público é eficiente e mais do que suficiente para qualquer cidadão. Existem opções de ônibus para todos os lados, trens para outras cidades saindo em vários horários e o sistema de metrô é um dos mais completos do mundo.

Nas grandes cidades francesas, não só você não precisa ter carro, como ele pode se tornar um incômodo, por conta da falta de vagas e das altas taxas que se paga para circular com um veículo desses nos centros urbanos.

Mas, é claro que morar na França não significa morar em uma cidade grande. Na maioria dos municípios menores, existem também várias linhas de ônibus que atendem à população. Outro fato que costuma ser regra é a existência de um passe mensal, geralmente com valores reduzidos, para usar os transportes da cidade livremente ao longo de todo o mês.

Em Lille, por exemplo, metrô e ônibus cobrem toda a área da cidade e existe a opção de ir de tram para as cidades vizinhas da Grande Lille. Além disso, como o perímetro urbano é pequeno, os habitantes também têm o hábito de andar de bike para todo lugar.

Porém, antes de decidir onde morar na França, é importante pesquisar as especificidades de cada cidade. Em Blois, por exemplo, os ônibus atendem bem à região central da cidade, mas nas regiões periféricas da cidade, as linhas não chegam tão facilmente, sendo mais necessário o uso de um carro para circular nessas regiões. 

Por lá, existem até alguns contratantes que pedem que os candidatos a vagas tenham carteira de motorista e carro, uma vez que as empresas podem ficar em partes mais distantes dos centros, que são melhor servidos pelos transportes. Ou seja, o segredo é pesquisar a fundo antes!

Alimentação

Esse é outro dos tópicos que tende a variar, quando estamos falando sobre custo de vida na França. Enquanto em uma cidade menor e universitária um prato em um restaurante pode custar apenas 7€, na capital francesa o mesmo prato pode passar dos 30€.

Porém, o cálculo de gasto com compras de mercado é mais fácil. Independente da cidade, um casal consome por mês entre 200 e 300 €, variando conforme seus hábitos de comer fora ou de consumir alimentos mais caros.

Saúde

O sistema público de saúde é uma das melhores partes do custo de vida na França. Assim como em muitos países europeus, a saúde pública atende muito bem aos cidadãos e tem consultas e exames pagos, porém subsidiados.

Uma consulta com um clínico geral custa por volta de 25 €, enquanto com um especialista fica ao redor de 80 €. O Estado reembolsa 70% desse valor e geralmente as empresas oferecem aos seus funcionários planos de saúde que reembolsam até 25%. Com isso, é comum que as pessoas acabem pagando cerca de apenas 1 € para consultas comuns e até 10 € para médicos especialistas. 

Também é possível contratar planos de saúde particulares nos mais variados preços, até para os bolsos mais sensíveis: existem opções a partir de apenas 10 €.

Remuneração

O salário mínimo na França é de 1598€ em 2019, o que torna ele um dos maiores da Europa e quase 3 vezes mais alto que o de Lisboa, por exemplo. Porém, pode-se dizer que ele acaba sendo necessário para dar conta do custo de vida nas grandes cidades.

Paris, por exemplo, está entre as cidades mais caras do mundo desde 2003, o que gerou muitos protestos do movimento dos coletes amarelos. Atualmente, morar em Paris é pagar o custo de vida mais alto do mundo, junto com Singapura e Hong Kong, de acordo com o relatório World Wide Cost of Living 2019, do The Economist.

A média de salários, porém, é mais alta do que o mínimo estabelecido e fica por volta de 2000 €, enquanto uma profissão que exige anos de formação, como um engenheiro, por exemplo, pode chegar a uns 3000 €.

Moradia

A moradia é de longe um dos fatores que mais impactam no custo de vida na França. Porém, os preços nos grandes centros são muitos mais altos do que nas cidades de interior, onde o aluguel chega a ser quase 3 vezes menor.

Em Paris, por exemplo, os números ficam por volta de 900 € por um apartamento de 30m² com um único cômodo e chegam a 1500 € por um imóvel de 50m² e um quarto.

E esses sequer são os preços mais impressionantes: quanto mais perto dos badalados centros turísticos, como nos bairros ao redor da Torre Eiffel, por exemplo, ainda mais caros são os aluguéis.

Prepare-se para uma briga por imóveis na capital francesa! Morar em Paris significa competir com muitas pessoas interessadas em um mesmo apartamento. Como estrangeiro, alguns proprietários podem exigir de você uma segurança extra, como um fiador francês ou meses de adiantamento de aluguel. Por isso, prepare-se financeiramente!

Já nas cidades na periferia de Paris, os valores são um pouco mais baixos, mas ainda salgados para o bolso. Em Villejuif, por exemplo, um apartamento de 50m² com um quarto custa por volta de 1200 €.

Alternativas menores para driblar os preços parisienses

Em Lille, no extremo-norte do país, quase fazendo fronteira com a Bélgica, os preços são mais baixos. Um apartamento com os mesmos 30m² fica por volta de 500€ mensais, enquanto outro com 2 quartos fica na casa dos 750€.

Já em Blois, ao sul de Paris e mais próximo da região central do país, um apartamento por volta de 50m² e com um quarto sai por 500 € mensais.

Clima

Morar na França pode ser uma experiência totalmente diferente em relação ao clima, dependendo de onde você escolheu por fixar residência. Explico: o país tem 4 regiões climáticas, por isso, existem variações de comportamento nas temperaturas. Vamos entender isso melhor!

No litoral oeste, costuma chover mais ao longo do ano. Já na parte mais pra dentro do continente, no oeste do país, os extremos de temperatura se acentuam. Assim, o verão é bem quente e o inverno mais rigoroso, chegando a dar temperaturas negativas e neve.

No litoral sul, onde fica a famosa Riviera Francesa e as praias mais badaladas do país, os dias de sol são mais frequentes ao longo do ano e o outono é a estação que traz as chuvas mais fortes.

Porém, falando do país de maneira geral, o que se pode dizer é que as estações na França são bem marcadas e dá pra sentir a diferença na passagem de uma para outra. 

A primavera e o outono têm dias de sol, mas também trazem mais chuvas. Já a temperatura é mais amena ao longo dessas estações. O inverno costuma ser frio, mas não extremo: temperaturas negativas e nevascas prolongadas ficam apenas nas regiões mais altas do país, onde o clima de montanha domina. Já o verão tem temperaturas por volta de 25°C a 35°C.

Morar na França vale a pena?

Agora que você conhece o custo de vida na França, vamos a outra pergunta muito relevante para quem está pensando em trocar a vida que conhece por um novo país. É hora de entender como é morar na França, do ponto de vista das atividades culturais e dos hábitos da população.

Ritmo de vida

Ao morar na França significa que você irá encontrar uma jornada de trabalho bem diferente do que é seguido nas grandes cidades brasileiras. O país europeu tem uma jornada de trabalho de apenas 35 horas semanais e todas as horas-extras são pagas, sendo permitido chegar, no máximo, até 48h semanais e tendo um limite de 10h por dia.

Os franceses valorizam o tempo livre e a qualidade de vida. Por isso, a relação com o trabalho é mais leve. Há um respeito aos horários de trabalho, muitos negócios fecham aos domingos (mesmo farmácias e supermercados) e existem 11 feriados nacionais que, quando caem nas terças-feiras ou quintas-feiras, é comum que se enforque a segunda ou a sexta-feira para fazer um feriado prolongado.

Já no que se diz respeito às férias, morar na França é um paraíso: são 30 dias úteis de férias ao ano e algumas empresas costumam fechar durante o verão, liberando os funcionários para aproveitar os meses mais quentes de junho e julho para viajar.

Vida cultural e noturna

Isso é algo que varia conforme o local que você decidir morar na França, mas é comum encontrar feiras de rua, festas populares, muita oferta de cinemas, restaurantes, bares, teatros, etc. Existe diversão para todos os gostos pelo país. 

Assim como em muitos países da Europa, o verão é palco da maioria dos eventos ao ar livre e a estação enche as ruas tanto de turistas como de locais, dando uma nova vida às cidades.

POSTS RELACIONADOS

Visitar

Pontos turísticos de Londres: quais você não pode deixar passar

03/08/2020
Visitar

Atrações imperdíveis para visitar em Toledo, na Espanha

01/08/2020
Visitar

Assis, a cidade mística

27/07/2020